Quem sou eu

Minha foto
Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brazil
Sou metalúrgico aposentado,chaveiro autônomo, gosto de ler e escrever poesias. Visualizar meu perfil completo

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Hipocrisia - NÃO!


Não nasci pra ser um Hitler
Nem pra ser um Jesus Cristo.
Nasci para ser eu mesmo
E de ser eu não desisto.
Mas vivo me construindo
Porque penso e existo. 

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

As faces



Quem quiser me entender
Há de ter boa vontade
Os “nãos’ que a vida me deu
Fez em mim minhas verdades
Pra ser velho como estou
Caminhei da mocidade.

Meus caminhos maus – traçados
As durezas dessa vida
Me trouxe alguns encontros
Outras tantas despedidas.
Aprendi a suportar dores
E curar minhas feridas.

Meus problemas, minhas lágrimas,
Não divido com ninguém
São coisas que me pertencem
Com elas convivo bem.
Não sou vítima sou aluno
Das lições que a vida tem.

Às vezes pareço rude
Esse é meu lado grosseiro
Como rosas tenho espinhos
Tenho pétalas, tenho cheiro.
Às vezes pareço frágil
Não se engane, sou guerreiro. 

Como rocha me defendo
Sou duro de ser quebrado
Com doçura me desmancho
Sou gentil e delicado
Conforme a procura me encontram
Em qualquer um dos dois lados.

Egídio Timóteo Correia.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013


                    MEUS VERSOS VERSUS GRAMÁTICA .

Levo jeito para escrever
Não, para memorizar,
Por isso apanho da Língua
Quando vou escrevinhar.

Nossa língua vem do latim
E do grego, pra complicar.
Dialetos africanos e indígenas
Somam-se no linguajar.

O “C” “SS” “Ç”
Iguais no pronunciar
Fazem confusão como os quintos
Se precisamos grafar.

O “H” é outro tonto,
Que a gente tem que usar.
Mesmo quando nada muda
Se o tirássemos de lá.

Hidrelétrica, hora, homem, honesto;
Tem o mesmo som sem “H”.
Esquecê-lo? É ignorância!
No começo dessas palavras,
Temos que o colocar.

“CH” e “X”
Merecem muita atenção.
Chuchu e xícara,
Chato, xarope, chaveiro, chorão.
No exame “X” é um “Z”
Veja só a confusão.

“S” e “Z” outra encrenca
Que deixa um aloucado
Tem horas que “S” e “Z”
 Precisa muito cuidado.
 Se não, um se confunde com outro
Muda o significado.

J” e “G”, ai meu Deus!
Ajude-me! Preciso lembrar,
Que tigela não é canjica.
Aquela com “J” se come;
A outra com “G”
Só serve pra cozinhar.

Eu juro que não me entendo
Com certas regras da nossa escrita.
Criar pensamentos é fácil.
Mas essa norma erudita
Faz-me cometer cada erro
Que nem Deus do céu acredita.


“Só memória de elefante”
Como se diz no ditado
Pode lembrar tantas regras
E nunca escrever errado.
Não, um velho como eu.
Já ficando esclerosado.

Egídio Timóteo Correia

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Cordel do contraditório/1 por Egídio T. Correia.




CORDEL DO CONTRADITÓRIO/1

Cada terra tem seu Deus
Cada Deus a sua lei
A escolha desse  Deus
Só depende do freguês
E essas leis só variam
Porque o homem é quem  fez.

Tem  religião doutrinando
Sobre reencarnação
Já tem outras que acreditam
Só na ressuscitação
Tem quem diga que existem santos
Já outros dizem que não.

A bigamia é pecado
No ensinamento cristão
Tem homens que possuem arem
É o caso do sultão
Há culturas diferentes
Para cada região.

Certo e errado é uma coisa
Que cabe examinar
E tudo depende muito
Do lado que se estar
O que é certo pra um
Outro pode contestar.

O mocinho e o bandido
O herói e o vilão
Estão numa mesma história
Só depende da visão
Que cada um interpreta
Conforme a situação.

Palmeirenses e corintianos
Cada um se acha o melhor.
A intolerância entre os dois
Anda de mal a pior
Com brigas pancadas e mortes
enfeando o futebol

O juiz é outro traste
Difícil de entender
Proíbe faltas de um
Que o outro  pode fazer
Usa pesos e medidas
Conforme seu bel prazer.


 A Lei da selva é a vida
 Cada um defende a sua
Vida se alimenta de vida
Essa é a verdade crua
A justiça da natureza
Não exclui  nem compactua.

 O homem se julga civilizado
E tem outra realidade
Também é um animal
Mas quando  vive na cidade
Compete pelo dinheiro
Poder, fama e vaidade.

Não mata só pela fome
Tem inveja,  ciúmes e preconceito
Fala sempre num Deus justo
Piedoso, sábio e perfeito
Mas não pratica o que diz
É cruel, injusto, imperfeito.

No cordel contraditório
Que acabo de fazer
Sei que alguns vão concordar
Outros vão se aborrecer
Vão dizer que  esse poeta
Só faz versos que não presta
Sem cultura e sem saber.

Contudo vou escrevendo
Só por pura diversão
Colhendo lições da vida
Conforme a minha visão
Estando certo ou errado
Sendo ou não criticado
Ouço a voz do coração.

sábado, 19 de janeiro de 2013

As cores do vento




Colors of the wind (tradução)


Cores do Vento
 Você acha  que eu sou uma selvagem ignorante
E Você. JÁ Esteve em muitos lugares, 
Eu acho que Ser DEVE ASSIM
Mas não vejo, que um selvagem aqui sou eu
Se você caminhar ao lado de um estranho
Você verá o quanto há que você não sabia


Você acha que são humanos só as pessoas
Que se parecem e pensam como você.


Você acha que qualquer terra em que você chega lhe pertence
A terra é apenas algo morto que você pode reivindicar
Mas eu sei que cada pedra, árvore e criatura
Tem uma vida, tem um espírito, tem um nome.

Você acha que as únicas pessoas que são humanas
São as pessoas que parecem e pensam como você
Mas se você seguir as pegadas de um estranho
Você vai aprender coisas que você nunca soube antes.


[refrão]
Você já ouviu o lobo uivar à lua cheia azul,
Ou perguntou ao lince por que ele grunhiu?
Você pode cantar com todas as vozes das montanhas?
Pode pintar com todas as cores do vento?
Pode pintar com todas as cores do vento?

Venha percorrer os caminhos de pinheiros escondidos da floresta
Venha saborear as doces frutinhas da terra
Venha rolar em todos as riquezas à sua volta
E por uma vez não pense no que elas valem.

A tempestade e o rio são meus irmãos
A garça e a lontra são minhas amigas
E nós estamos todos conectados uns aos outros
Em um círculo, em um laço que nunca acaba.

[refrão]
A que altura chega o ácero?
Se você o derrubar, então nunca saberá.



E nunca ouvirá o lobo uivar à lua cheia azul.
Não importa se somos brancos ou de pele escura,
Precisamos cantar com todas as vozes das montanhas,
Precisamos pintar com todas as cores do vento.

Você pode possuir a Terra, e ainda assim
Tudo que possuirá será terra
Até você saber pintar 
Com todas as cores do vento.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

ALEGRIA! ALEGRIA...


                         

 Alegria... Alegria!  Eu sei que para ser popular
   O indivíduo tem que ser “bonzinho” Ou pelo menos parecer que “É” por isso alguns políticos parecem ser.  Ou, ser agradável, alegre, por isso o apresentador de televisão se esforça para sê-lo. Ou ainda, o indivíduo precisa ser brincalhão, engraçado, por isso comediantes e palhaços procuram ser. Dizer o que o povo quer ouvir (mesmo não sendo verdadeiro) é isso que os líderes religiosos fazem. Ser convincente como são os bons vendedores de qualquer produto, e, principalmente os vendedores e escritores de livros de autoajuda.
Para quem que ser popular
Falar a sua verdade é crime, ou no mínimo um grande pecado.
Há um pensamento que diz:
“Para fazer inimigos não precisa declarar guerra, basta dizer o que pensa.”
A seriedade assusta. Música para fazer muito sucesso precisa ser debochada, engraçada, insinuante e até pornográfica.  O mundo parece viver uma crise de seriedade. Nas redes sociais o que mais faz sucesso São as dansinhas cheias de macaquices.
   Há uma campanha publicitária para que as pessoas sejam adoradoras do riso fácil, das frases carregadas de otimismo e alegria. Um amigo meu fez uma excursão por doze países da Europa, disse-me ele, que não gostou do povo suíço, do povo alemão e do povo francês. Segundo ele,  são pessoas sérias demais, sisudas, carrancudas.  Vale lembrar, que a Suíça é um dos países mais ricos e com uma das melhores qualidades de vida do mundo. A Alemanha e um dos países mais ricos da Europa apesar de praticamente ter sido destruída durante a segunda guerra mundial. E a França também é um país que faz parte dos países considerados de primeiro mundo.
   E nós os alegres brasileiros? Somos da terra do Aché, do forró, do pagode, do samba e do futebol, das novelas, das grandes festas e de muita alegria. Em contra partida, temos ainda uma péssima distribuição de renda, somos o segundo pior ensino do mundo, somos tidos como um dos países onde campeia a corrupção, desobediência no trânsito, internamente violentos, inseguros, e mal educados. Segundo analistas internacionais o Brasil só perde em festividade, danças, ritmos e alegria para os países do continente africano. Coincidentemente ou não, o continente africano é o continente mais miserável do mundo.   
Será que nós estamos fazendo a opção correta?

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

A justiça brasileira, Ó!...







Essa justiça brasileira é no mínimo muito esquisita, por que os justiceiros do mensalão de 2003 não julgam o mensalão 1998?  Porque será que querem prender José genuíno, José Dirceu, e  soltaram Carlinho Cachoeira? Por que não querem prender Roberto Jefferson  (o único réu confesso do mensalão) Eduardo Azeredo, Demóstenes Torres, Maconi Perillo (chefão de Carlinho Cachoeira) Será que só pode ser preso se for políticos do PT?

Extraído do blog PASSARINHO NO TELHADO


SEGUNDA-FEIRA, 14 DE JANEIRO DE 2013
Hoje é meu aniversário!!!

http://4.bp.blogspot.com/-Lk6VeaDkAnA/UPP73M0Z75I/AAAAAAAASnQ/0SVrCcoGEno/s320/parab%C3%A9nssheila.jpg

Li em algum lugar uma frase que me tocou muito: 

“Eu não tenho idade, tenho vida!”

Cada ano vivido, aprendo a lidar melhor com a vida
e a vivê-la com mais intensidade, mais paixão.
Aprendi e estou aprendendo a lidar com meu lado sombra
e a fazer brilhar meu lado luz.
Aprendi a lidar com os outros...a retribuir gentilezas,
a defender-me dos ataques,
a não dar tanta importância para o que não merece minha atenção.
Aprendi  que a opinião dos outros
é apenas a opinião dos outros e que isso não interfere em nada na minha vida,
se eu não permitir.
Aprendi que algumas pessoas se aproximarão
por querer me conhecer de verdade e outros nem tanto. 
Aprendei a ser mais gente,
a estender a mão quando me pedem ajuda,
a calar quando devo calar e a me afastar
quando as energias simplesmente não combinam mais.
Aprendi que tolerância é a chave mestra dessa existência..
.e que ter um coração agradecido diferencia os felizes e os infelizes.
Aprendi a ser a minha melhor amiga e a ficar do meu lado sempre...
e a dizer e ouvir um "não" com sabedoria...
Aprendi a evitar comparações pois isso sempre vai me colocar pra baixo.
Aprendi que não devo esperar muito dos outros...bem pelo contrário,
devo esperar pouco, bem pouquinho para ter agradáveis surpresas
ao invés de decepções...
Aprendi a manter a calma,  a me dar colo...e a pedir ajuda quando o esse colo
não for o suficiente.
Aprendi a ouvir e a confiar na minha intuição... ela é a voz de Deus em mim!
Aprendi que eu não tenho nada...tudo é ilusão...
eu só tenho a mim e só terei a mim pela eternidade
Só envelhecemos de fato, quando nos fechamos para a vida e para o novo.
Quando ficamos radicais, impacientes e  inflexíveis...
quando nos conformamos com nossa infelicidade. 
Por isso que eu não tenho idade, tenho vida!
Cada ano que passa aprendo a lidar melhor com ela...e quando mais aprendo
mais ela me preenche...

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Por Madre Tereza de Calcutá


"As mãos que ajudam
São mais sagradas 
Do que os lábios que Rezam"

Sem medo e sem raiva - por Egídio T. Correia



Sem medo e sem raiva. 

Com raiva se faz besteira,
Com medo não se faz nada,
A vida tem que ser vivida
Essa é a maior empreitada.
Que a raiva seja passageira,
Que o amor seja contínuo e forte,
Para que apeguismo à-toa
Se o fim de tudo é a morte?
Maravilhosas dificuldades
Que faz a gente crescer como pessoa,
E por mais dura que seja a vida,
Não importa, ela é boa.
Mágoa não é remédio
Nem dá camisa a ninguém,
Deixe a vida rolar no seu eixo,
Siga em frente e tudo bem.
Tudo passa, tudo muda,
Nesse vaivém sem fim
A vida é mesmo complicada
Mas só é boa assim.
Na selva ou na cidade,
Nós precisamos viver,
Lutemos pelo melhor,
Mas não precisa correr,
Tudo tem seu tempo certo,
Deixe a vida acontecer.
A natureza é o guia,
O tempo é o professor,
A coragem é o barco da vida,
O melhor caminho, o amor,
A esperança, o futuro,
A maior riqueza é a vida
Pra quem sabe dar valor.


Egídio Timóteo Correia

De José Saramago

"DENTRO DE NÓS
HÁ UMA COISA QUE NÃO TEM NOME
ESSA COISA É O QUE SOMOS"

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Egídio poeta: sobre o poeta Dilson Lira

Egídio poeta: sobre o poeta Dilson Lira: Meu amigo e poeta Dilson Lira (na foto de camisa bege e a barba branquinha) foi o pioneiro da propaganda ambulante em nossa cidade. Esse é ...

Por uma cidade melhor


POR UMA CIDADE MELHOR / 10



Todos nós:
Queremos nos livrar da Dengue,
Mas todos nós - Descuidamos com as águas paradas.
Todos nós
Queremos nos livrar dos ratos,
Mas todos nós - Deixamos restos de comida nas ruas.
Todos nós
Queremos uma cidade limpa,
Mas todos nós - jogamos papéis nas ruas.
Todos nós
Queremos nos livrar da violência,
Mas todos nós- Deixamos fluir nossas agressividades.
Todos nós
Queremos nos livrar da maledicência,
Mas todos nós- Gostamos de falar da vida alheia.
Todos nós
Gostamos do silêncio e da calma,
Mas todos nós - somos barulhentos e agitados.
Todos nós
Gostamos de ser respeitados,
Mas todos nós - Desrespeitamos nossos semelhantes.
Todos nós
Queremos um mundo melhor,
Mas todos nós - Deixamos de fazer o melhor pelo mundo.
Como diz o velho ditado
“Todos nós queremos entrar no reino de Deus”
Porém, nenhum de nós quer morrer.
Se é assim,
É porque todos nós somos hipócritas por natureza.

                                                                Egídio Timóteo Correia

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

só o amor por Egídio T. Correia





SÓ O AMOR SABE TUDO 

Quando o amor acontece
De tudo a gente se esquece
O que importa é o amor.

Quando o amor acontece
Quem é pobre enriquece
Toda riqueza é o amor.

O amor é mudo
Mas fala tudo
Fala com o coração.

O amor é tudo
Sabe de tudo
Das coisas, do coração

O amor entende tudo
 Do que mais importa.
Entende de coração.